Notícias

Embrapa e Grazmec lançam projeto Capim-annoni Tolerância Zero

A Embrapa Pecuária Sul e a Grazmec lançaram nesta terça-feira, 12 de março, durante a 20ª edição da Expodireto Cotrijal, o projeto Capim-annoni Tolerância Zero. O trabalho consiste em uma série de roteiros que serão realizados em municípios do Rio Grande do Sul, em parceria com o Senar e sindicatos rurais. O objetivo é divulgar soluções para o controle do capim-annoni e de outras plantas indesejáveis, com o uso do aplicador seletivo de herbicidas Campo Limpo e outras práticas recomendadas pelo Método Integrado de Recuperação de Pastagens Degradadas (Mirapasto), ambos desenvolvidos pela Embrapa. O evento de lançamento aconteceu na sede administrativa da Grazmec, em Não-Me-Toque, e contou com a participação de revendedores comerciais da máquina Campo Limpo.

De acordo com o gerente comercial da Grazmec, empresa que hoje fabrica a Campo Limpo, Mário Bandeira, o objetivo do tour é levar informação qualificada para o produtor, de forma a contribuir para a diminuição da infestação do capim-annoni e de outras plantas invasoras no Estado. “Esse é um movimento que vamos fazer em prol da redução do capim-annoni no Rio Grande do Sul”, comentou. “E a Campo Limpo cada vez mais vem dando resposta positiva para o produtor nesse sentido”, completou o presidente da Grazmec, Antônio Alberi de Mattos.

O pesquisador da Embrapa Pecuária Sul Naylor Perez, que durante o evento de lançamento do projeto apresentou o Mirapasto ao público, destacou a importância dos roteiros para informar o público sobre as soluções efetivas existentes para controle de invasoras como o capim-annoni, um dos principais problemas que afligem a pecuária gaúcha. “Não temos hoje como reverter a infestação do capim-annoni sem o uso da roçadeira química, da Campo Limpo. Mas ela não basta, é preciso usar uma série de práticas constantes no Mirapasto para se chegar a esse objetivo. É isso que queremos melhor divulgar nesses roteiros” disse. 

Presente no evento, o coordenador de formação profissional rural do Senar, Umberto Moraes, destacou a importância de se articularem parcerias para diminuir os prejuízos econômicos causados pela invasora aos pecuaristas. “O Senar se demonstrou parceiro da iniciativa e vai participar dos eventos, ajudando a levar essas informações ao seu público-alvo, que são os produtores rurais”, destacou. 

O roteiro piloto do projeto deve acontecer no final de maio de 2019 em quatro municípios da metade Sul do Estado. “Tendo uma resposta positiva, e acredito que teremos, vamos expandir o roteiro para outras regiões, e até mesmo para outros locais do País”, destacou Bandeira.

Potencial nacional

Apesar de ter sido concebida nas condições do Rio Grande do Sul, a máquina Campo Limpo tem eficiência no combate de diversas plantas invasoras no Brasil. Um exemplo é o capim-navalha, invasora comum nas pastagens do Norte do País, e o capim-capeta, recorrente no Centro-oeste brasileiro.

Campo Limpo

Lançada em 2008 pela Embrapa, a tecnologia hoje fabricada pela Grazmec reduz significativamente as infestações no campo quando usada com outras práticas de manejo, como a correção e a manutenção da fertilidade do solo, a sobressemeadura de espécies forrageiras de inverno e de verão e o ajuste de carga animal de acordo com a oferta de pastagem. Todos esses princípios integram o Mirapasto.

A máquina controla de forma seletiva gramíneas indesejáveis como o capim-annoni. Também controla plantas tóxicas de folha larga, como a maria-mole/flor-das-almas e o mio-mio. Em virtude da diferença de altura que se estabelece entre as plantas forrageiras consumidas pelo gado e as espécies invasoras, que ganham maior altura, somente as plantas indesejáveis entram em contato com os aplicadores de herbicida da Campo Limpo. Essa forma de uso direto, sem a necessidade de pulverização, aumenta a segurança da aplicação, evitando riscos de deriva do produto e de inalação indevida pelo operador, beneficiando o meio ambiente e o homem.

A Embrapa Pecuária Sul e a Grazmec lançaram nesta terça-feira, 12 de março, durante a 20ª edição da Expodireto Cotrijal, o projeto Capim-annoni Tolerância Zero. O trabalho consiste em uma série de roteiros que serão realizados em municípios do Rio Grande do Sul, em parceria com o Senar e sindicatos rurais. O objetivo é divulgar soluções para o controle do capim-annoni e de outras plantas indesejáveis, com o uso do aplicador seletivo de herbicidas Campo Limpo e outras práticas recomendadas pelo Método Integrado de Recuperação de Pastagens Degradadas (Mirapasto), ambos desenvolvidos pela Embrapa. O evento de lançamento aconteceu na sede administrativa da Grazmec, em Não-Me-Toque, e contou com a participação de revendedores comerciais da máquina Campo Limpo.

De acordo com o gerente comercial da Grazmec, empresa que hoje fabrica a Campo Limpo, Mário Bandeira, o objetivo do tour é levar informação qualificada para o produtor, de forma a contribuir para a diminuição da infestação do capim-annoni e de outras plantas invasoras no Estado. “Esse é um movimento que vamos fazer em prol da redução do capim-annoni no Rio Grande do Sul”, comentou. “E a Campo Limpo cada vez mais vem dando resposta positiva para o produtor nesse sentido”, completou o presidente da Grazmec, Antônio Alberi de Mattos.

O pesquisador da Embrapa Pecuária Sul Naylor Perez, que durante o evento de lançamento do projeto apresentou o Mirapasto ao público, destacou a importância dos roteiros para informar o público sobre as soluções efetivas existentes para controle de invasoras como o capim-annoni, um dos principais problemas que afligem a pecuária gaúcha. “Não temos hoje como reverter a infestação do capim-annoni sem o uso da roçadeira química, da Campo Limpo. Mas ela não basta, é preciso usar uma série de práticas constantes no Mirapasto para se chegar a esse objetivo. É isso que queremos melhor divulgar nesses roteiros” disse. 

Presente no evento, o coordenador de formação profissional rural do Senar, Umberto Moraes, destacou a importância de se articularem parcerias para diminuir os prejuízos econômicos causados pela invasora aos pecuaristas. “O Senar se demonstrou parceiro da iniciativa e vai participar dos eventos, ajudando a levar essas informações ao seu público-alvo, que são os produtores rurais”, destacou. 

O roteiro piloto do projeto deve acontecer no final de maio de 2019 em quatro municípios da metade Sul do Estado. “Tendo uma resposta positiva, e acredito que teremos, vamos expandir o roteiro para outras regiões, e até mesmo para outros locais do País”, destacou Bandeira.

Potencial nacional

Apesar de ter sido concebida nas condições do Rio Grande do Sul, a máquina Campo Limpo tem eficiência no combate de diversas plantas invasoras no Brasil. Um exemplo é o capim-navalha, invasora comum nas pastagens do Norte do País, e o capim-capeta, recorrente no Centro-oeste brasileiro.

Campo Limpo

Lançada em 2008 pela Embrapa, a tecnologia hoje fabricada pela Grazmec reduz significativamente as infestações no campo quando usada com outras práticas de manejo, como a correção e a manutenção da fertilidade do solo, a sobressemeadura de espécies forrageiras de inverno e de verão e o ajuste de carga animal de acordo com a oferta de pastagem. Todos esses princípios integram o Mirapasto.

A máquina controla de forma seletiva gramíneas indesejáveis como o capim-annoni. Também controla plantas tóxicas de folha larga, como a maria-mole/flor-das-almas e o mio-mio. Em virtude da diferença de altura que se estabelece entre as plantas forrageiras consumidas pelo gado e as espécies invasoras, que ganham maior altura, somente as plantas indesejáveis entram em contato com os aplicadores de herbicida da Campo Limpo. Essa forma de uso direto, sem a necessidade de pulverização, aumenta a segurança da aplicação, evitando riscos de deriva do produto e de inalação indevida pelo operador, beneficiando o meio ambiente e o homem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *